Saint☆Young Men e a religiosidade no Japão

E se Jesus e Buda tirassem férias juntos no Japão?

Imagem / Divulgação

É inegável que dezembro é um mês envolto pelo clima natalino e, diante disso, a busca por histórias sobre natal ou sobre temas cristãos acaba sendo maior também. Foi em uma procura por mangás relacionados principalmente ao natal, que me deparei com as obras de Nakamura Hikaru. 

A autora, mais conhecida pelo mangá Arakawa Under the Bridge (Panini), também possui um mangá de comédia natalino chamado Black Night Parade (inédito no Brasil), que infelizmente não está disponível para leitura nem mesmo por vias não oficiais da internet. Em contrapartida, a autora tem outro mangá que se enquadra no clima dezembrino: Saint☆Young Men (Anunciado pela NewPOP¹), que é o tema desse post!

Apesar de não girar em torno do natal, essa comédia slice of life, que inclusive já ganhou o Prêmio Cultural Osamu Tezuka, conta as experiências de Jesus Cristo e Buda no dia-a-dia do Japão moderno. Através desse mangá, que também tem uma adaptação em anime, é possível se divertir com a rica imaginação da autora que coloca Buda e Jesus nas situações mais absurdas e variadas. Afinal, quem imaginaria ver os representantes do cristianismo e budismo desesperados em um metrô na hora do hush?

Religiosidade no Japão

Jesus e Buda encontram em uma sauna um membro Yakuza que possuí uma imensa tatuagem de Buda nas costas

“Parece que ele é um fiel bastante intenso…”

Antes de falar diretamente de Saint☆Young Men, não há como abordar esse mangá sem uma breve contextualização da religiosidade japonesa. Ao observar a escolha da autora de uma figura budista e uma figura cristã para protagonizarem seu mangá é inevitável não se questionar sobre como se dão essas religiões dentro do Japão. Principalmente se considerarmos que as duas religiões predominantes no Japão contemporâneo são o Xintoísmo e o Budismo, não o Cristianismo.

O Xinto é originalmente a primeira religião japonesa. Sem ter fundador ou escrituras sagradas, essa religião indigena politeísta é presente até hoje nas raízes das tradições japonesas. Todos aqueles festivais (matsuri) que ocorrem em templos e amuletos de boa sorte que vemos com frequência em mangás e animes são relacionados a Deuses Xintoístas específicos. Em Saint☆Young Men, por exemplo, há referências ao Xinto quando Jesus e Buda estão em festivais ou frequentando um templo e demonstram sua preocupação em não criar problemas para o Deus daquele templo ao participarem de celebrações específicas.

Com a chegada do século VI, o Budismo começou a adentrar o Japão e ambas essas religiões começaram a coexistir. Mesmo após incisivas tentativas de emancipação do Xinto através da politização da religião durante a era Meiji, atualmente essas duas religiões ainda se complementam na sociedade e costumes japoneses. Algumas tradições, como o casamento, ficam sob responsabilidade do Xinto, enquanto outras, como funerais, ficam sob responsabilidade do Budismo, por exemplo.

Em relação ao Cristianismo, porém, a situação é abruptamente diferente. Com o missionarismo em alta, o Cristianismo europeu chega ao Japão em 1542 e de início é bem aceito. Pouco tempo depois, em 1587, Toyotomi Hideyoshi, que estava atento aos objetivos europeus de colonização, conquista de terras e venda de japoneses como escravizados, baniu missionários do Japão. Alguns anos depois Hideyoshi chegou a tomar uma medida ainda mais severa e executou 26 cristãos em Nagasaki como aviso.

Políticas anti-cristãs permaneceram incidentes no Japão até o período Meiji (1868 – 1912) e hoje, por mais que se encontrem igrejas cristãs pelo país e alguns costumes e eventos, como o próprio natal, tenham se tornado populares (apesar de mais relacionados ao marketing do que à religião) o número de cristãos no Japão é ínfimo. Para ter uma noção, cerca de 90 milhões de pessoas se consideram budistas por lá enquanto o número de japoneses considerados cristãos é de 1 a 2 milhões (mais ou menos 1% da população).

Caracterização de Jesus e Buda

No lado esquedro: Buda lendo o mangá “Buddha” de Osamu Tezuka / No lado direito: Jesus mostrando seu blog sobre doramas chamado “Jesse’s Dramandala”

“Osamu Tezuka é incrível…!”

“Meu Blog é tão popular que eu recebo 10,000 acessos por dia!!”

Como já dito anteriormente, esse é um mangá de comédia. Dito isso, não é de se esperar referências totalmente verossímeis ou uma aula de religião. A começar pelas próprias caracterizações dos personagens, que são mais caricatas. 

Tanto Jesus como Buda usam vestes comuns e procuram agir como pessoas comuns aqui na terra. Jesus inclusive tem a sua aparência frequentemente comparada com a de Johnny Depp e representa uma imagem de turista ocidenal no Japão. Já Buda, por ser a figura de uma das religiões principais do país, está constantemente preocupado em ser reconhecido por humanos e acabar tendo problemas em suas férias.

Mas o mais interessante nessa caracterização são as personalidades, que misturam um pouco da imagem religiosa com gostos e características de pessoas comuns. Buda pode ser descrito como um cara gentil, responsável e paciente que é, também, um grande fã de mangás (especialmente do Osamu Tezuka). Já Jesus é um cara animado, inseguro e bondoso que administra um blog onde comenta sobre doramas japoneses.

Referências religiosas no mangá

No lado esquerdo: Jesus gritando “amém” e abrindo um caminho na piscina / No lado direito: Jesus coloca uma sacola na cabeça de Buda para tentar disfarçar a luz intensa

Dentro da história as referências, normalmente apresentadas como artifícios cômicos, são incontáveis. Os capítulos são independentes e carregam sempre um evento central específico que abre brechas para equívocos e situações inesperadas. Por exemplo, em um dos primeiros capítulos ambos os personagens decidem ir a uma piscina pública e lá Jesus revela não saber nadar. O capítulo gira em torno dessa relação de Jesus com a água, citando o batismo, o caminhar sobre as águas etc. Ao final, quando Jesus finalmente tenta nadar, em um momento de desespero ele acaba abrindo um caminho separando a água no meio da piscina.

Fora esses eventos e referências que giram em torno do evento central do capítulo (já adianto que o capítulo 9 é sobre o natal e celebração do aniversário de Jesus), há também referências que são mais constantes na história. Por exemplo, toda vez que Buda está imensamente feliz ou satisfeito com alguma das boas atitudes de Jesus ele sem querer emite uma auréola de luz intensa. Jesus, por outro lado, toda vez que está muito feliz acaba realizando um milagre acidentalmente, e sempre que mente, mesmo que seja uma “mentira do bem” é furado por sua coroa de espinhos.

Concluindo…

Esse é um mangá bastante divertido para quem não procura por uma representação religiosa especificamente séria e verossímil. É compreensível que algumas pessoas se desagradem ou se sintam incomodadas com uso dessas duas personalidades para um mangá de comédia. Mas, ainda assim, eu não diria que há qualquer referência que seja pejorativa, desrespeitosa ou ridicularize as religiões. O mangá reduz características religiosas em um formato mais caricato e divertido, porém sempre com respeito e através de um olhar positivo sobre a religião.

Justamente por ser algo mais reduzido, é possível que o leitor capte as referências e se divirta lendo mesmo sem qualquer conhecimento aprofundado sobre Budismo e Cristianismo. O mangá dificilmente sai do que é conhecido no senso comum, mas quando se aprofunda mais em algum aspecto religioso é de uma maneira clara e compreensível. Se você estuda profundamente alguma dessas religiões (ou ambas) pode até brincar de procurar equívocos na história durante a leitura, mas conhecendo a autora é provável que tenha tido muita pesquisa antes da escrita!

E para finalizar: um ótimo natal a todos os leitores que chegaram aqui! Espero que vocês aproveitem suas festas de fim de ano na medida do possível nesse contexto pandêmico! É bem provável que Jesus e Buda já não estejam mais passando seu período de férias no Japão, mas com certeza se estivessem ambos estariam em casa vendo doramas, lendo mangás e se distraindo em segurança para passar por esse período difícil.

Jesus no capítulo 9, que é centrado na temática do natal e na comemoração de seu aniversário.

“Eu vi isso do céu e pensei ‘ei, tem uma festa brilhante acontecendo’

Era o natal e eu não sabia”

Onde ler?

  • Disponível digitalmente em Inglês no site da Kodansha Comics
  • Volume 1 físico em inglês disponível na Amazon
  • Ebook do volume 1 em inglês disponível na Amazon 

Referências:

¹ Atualização (28/01/2021):

Durante o terceiro dia do evento NewPOP Week, da editora NewPOP, foi anunciada a publicação do título no Brasil sob o nome de “Jovens Sagrados”! Uma ótima notícia de que em um futuro breve teremos a possibilidade de nos divertir com Jesus e Buda em português e de forma física!

Um comentário

  1. Não sei bem como explicar isso, mas enfim, geralmente os sites que visitei que falavam sobre essa obra, em grande parte estão inativos. E, ver um mais recente falando deste mangá me faz sentir um pouco menos só. Sabe, eu amo o trabalho feito por essa autora e gostaria que este fosse mais conhecido.
    De qualquer modo, agradeço pelo post e desejo um grande alcance para seu blog.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s